• Zero à Direita

A união entre governos e Big Techs para ROUBAR a sua PRIVACIDADE.

Atualizado: 13 de Nov de 2020




Mais cedo, aqui no Shock Wave News, a Juliana Vaz postou uma matéria (que você pode ler clicando aqui) noticiando a recente proibição de aplicativos que usam criptografia nos países membros da União Europeia. Esta matéria é importante e nos ajuda a entender como governos e gigantes da tecnologia estão somando forças para nos levar diretamente para as páginas dos clássicos Admirável Mundo Novo e 1984.


Criptografia

É como chamamos a técnica de substituir informações, normalmente de textos e mensagens, por códigos cuidadosamente organizados de forma que torne aquela informação indecifrável para quem não estiver ciente das técnicas usadas para tais substituições. Os primeiros registros de uso datam da época do Império Romano, evoluindo desde então. Teve um papel primordial nas duas grandes guerras mundiais onde, para impedir a interceptação inimiga, todos os planos e ordens de combate eram repassados através de complexas mensagens criptografadas, e caso fossem obtidas, poderiam levar meses para serem decifradas, muitas vezes sendo tarde demais.


Com a chegada da internet 2.0, onde o usuário passou a interagir com sites, preenchendo volumes cada vez maiores de informações pessoais, surgiu a necessidade de proteger estes dados. A solução, dentre outras medidas, foi a adoção da criptografia digital das informações. O número do CPF de alguém que fizesse cadastro em um site não mais seria transportado de forma legível até o seu destino; ele agora era substituído por uma série de caracteres indecifráveis, sendo identificado apenas pelo servidor devido que guardaria esta informação.


Como para toda ação existe uma reação, a adoção e popularização da criptografia fez aumentar o número de pessoas e medidas focadas em quebrar as codificações, tornando possível interceptar esses dados e decifrá-los.


Voltando ao caso da União Europeia. Todos os grandes países com acesso às tecnologias mais recentes possuem setores governamentais especializados em criptografia e codificação, visando investigações internas, externas e para o setor de inteligência. Na UE isso é uma realidade.


Aplicativos para Android e iOS precisam passar por testes para serem disponibilizados em suas respectivas lojas de apps, entretanto, existem medidas ainda mais rigorosas com aplicativos que usam criptografia como WhatsApp e Telegram, sendo estes, muitas vezes obrigados a entregar seus códigos de programação para as empresas responsáveis pelas lojas, até para manter algum nível de segurança do usuário que o baixar. Logo, um aplicativo que utilize este recurso tem seus códigos profundamente analisados pelas grandes empresas e por setores de investigação governamentais, para que em caso de necessidade, existam formas de se obter estas informações.


O que Macron e a UE querem é facilitar - ainda mais - a obtenção de informações privadas, uma vez que "normalmente" é necessária a judicialização dos pedidos para acesso a tais dados. Para governos e Big Techs, o que você pensa, procura, compra, assiste, fala e sua orientação política são ouro! Pense em como eles podem manipular todo um sistema regional e até mesmo global se tiverem acesso desenfreado à estas informações.





Uma vez que estes aplicativos vão ser praticamente abertos, seus dados estarão em risco e por isso é importante se manter seguro, usando navegadores como Brave e Vivaldi, que não se renderam ao poderio das gigantes da tecnologia e mantém seus dados com algum nível de privacidade. Procure alternativas ao WhatsApp, Facebook e outros aplicativos famosos porque quase todos pertencem aos conglomerados tecnológicos do Vale do Silício. Opte por usar o DuckDuckGo ao invés do Google; ele tem a mesma eficiência mas não rastreia os seus dados.


Governos e Big Techs, unidos para tornar sua vida cada vez menos privada, com cada vez mais dados seus na mãos, prontos para serem usados contra você.