slider-1.png
  • Mr Red

Alexandre de Moraes deixa claro que não escreve os próprios votos

Ao falar a respeito do fechamento de igrejas, o mais brilhante ministro do STF cita a presença de Lutero durante a peste negra, ocorrida mais de cem anos antes de seu nascimento


Em meio a igrejas fechadas, o ministro revela duas coisas: (a) não sabe nada a respeito do que está votando; (b) não escreve ou revisa os próprios votos.


Ainda que reles mortais não consigam conceber a rotina desgastante de uma eminência de tamanha magnitude, — revisando peças muito detalhadas, com muitas provas e arguições e casos muito complexos, debruçando-se com estupenda maestria para que uma decisão equivocada não desoriente os rumos de uma nação, — há de se convir que uma mera revisão (ou correção ao vivo, erros acontecem, ora poxa) deveria ser feita antes de se publicar algo.


Na tarde desta quinta-feira (8), foi votada a ADPF 701 / MG que favoreceu a celebração de cultos e missas em vários estados e cidades do Brasil. Saiba mais sobre a questão aqui.


Tal direito constitucional e natural (havemos sempre de lembrar dessa segunda parte) diz respeito à essência humana. E como explicado por vários autores renomados e também por Michel Barcellos em seus artigos aqui na Shock Wave, a dissociação de qualquer coisa de Deus (ou deus) é impossível.


Ou seja, quando se tira Deus da mente humana, não há vácuo, mas um deus que "preenche" tal espaço.

Dessa forma, o voto desfavorável de Alexandre de Moraes nessa tarde avilta a fé de 80% da população brasileira que jaz incapaz de ser essencialmente quem é.

Viva a democracia!

1 comentário