slider-1.png
  • Davi Eler

As sete virtudes cristãs (2/7): Esperança



A esperança cristã é a espera certa da felicidade eterna”. - Tomás de Aquino

As pessoas subestimam por completo o poder da esperança cristã. Sendo uma das três virtudes teologais, assim como a fé, a esperança, a qual falarei aqui, é um dom de Deus concedido à nós de forma graciosa por meio do seu Espírito Santo.


Essa certeza nas promessas de Deus, para esta vida e para a próxima, muda completamente nossa forma de viver, ou pelo menos deveria. O que cremos sobre o pós-morte impacta diretamente o pré-morte. Vejamos, por exemplo, Paulo: ele mesmo preso e torturado disse em suas cartas coisas como “tende bom ânimo” e “em tudo, alegrai-vos”.


Quando se entende a esperança cristã, compreende-se que nada neste mundo pode tirar nossa paz e alegria, pois nós passaremos toda a eternidade com Nosso Salvador e Nosso Pai.


A virtude teologal da esperança cristã faz com que creiamos nas promessas do Nosso Senhor para o pós-morte. E se essa verdade não impacta diretamente a sua vida, tem alguma coisa de errado.


Primeira coisa que é importante de se dizer: a esperança que aqui falo não é aquela produzida pelos homens. Nós temos esperança nos filhos, no time de futebol e até mesmo nos políticos, mas a esperança a que me refiro aqui é sobrenatural.


Não sei quem aqui já teve a experiência de conversar com um descrente e no meio da conversa se perguntar: “caramba, como a pessoa não consegue crer que existe céu e inferno?”. Isso acontece, pois a pessoa não foi agraciada com esta virtude da esperança para assim poder crer nestas coisas que sobressaem a razão.


Obviamente que os humanos, ao longo tempo, criaram variações do céu verdadeiro, mas isso não significa que eles tenham alguma porção desta virtude exclusivamente cristã. Diz-nos apenas que existem resquícios do conhecimento de Adão e Eva sobre Deus em todos os lugares do mundo. Algumas, inclusive, se proclamam cristãs, mas no fundo não conseguem crer firmemente nas promessas de Deus e acabam distorcendo-as para caberem em seus conceitos de Deus e Cristianismo.


Acreditar que no céu poderemos ver e entender plenamente a Trindade, por exemplo, é uma característica exclusiva dos cristãos. No céu veremos e entenderemos como funciona a plena divindade e humanidade de Cristo, coisas que para nós, hoje, são completos mistérios e especulações, na eternidade serão obviedades, assim como 2 + 2 = 4.


Mas nós só conseguimos acreditar nestas promessas por sermos dotados graciosamente pela virtude da esperança. Por meio deste belo presente, conseguimos crer em promessas que, para os outros, são inócuas de razão, mas que para nós não há nada no mundo que faça tanto sentido quanto acreditar na Nova Jerusalém.

A esperança está intimamente ligada ao futuro, trata-se de acreditar que o objeto de sua esperança se tornará melhor amanhã. Então não há como separar a virtude teologal da esperança, das promessas escatológicas da Bíblia. Aquilo que Cristo prometeu, e o apóstolo João descreveu, acontecerá. Deus nos dotou com esta Esperança, exatamente para sermos capazes de crer nestas coisas sobrenaturais.


Para conclusão deste artigo, gostaria que refletíssemos: será que estamos agindo no presente de acordo com as promessas do futuro? Paulo, por ter certeza das maravilhosas promessas escatológicas, entregou por completo sua vida. A virtude da esperança não é somente para nos fazer crer no futuro, mas para nos ajudar a viver de acordo com estas promessas. Nós vivemos de acordo com o que cremos sobre o pós-morte. Como você tem vivido?

Até a próxima e fiquem com Deus.