slider-1.png
  • F. Wronski

BLACK LIST | Duas séries que anunciam de forma sombria nosso presente e futuro

Duas semanas sem Black List é muita coisa. Prometemos não mais ficar tanto tempo sem trazer a nossa querida Black List à vocês. Então chega de conversa fiada e vamos ao que interessa:


Hoje traremos duas séries que de alguma forma relatam o que atualmente estamos vivendo e o que nos aguarda no futuro. A primeira é a distópica série espanhola Zona de Separação, produção original da Netflix, e a segunda a norte americana Utopia uma produção original da Amazon.



Zona de Separação (La Valla) Espanha/2020 - Netflix


Zona de Separação é uma série criada pelo mesmo estúdio espanhol responsável por sucessos na Netflix, como La Casa de Papel, Toy Boy e Vis a Vis. Com todas essas credenciais, esta produção em 13 episódios não teria como ser ruim.



O original Netflix Zona de Separação tenta imaginar um futuro distópico, em que a humanidade se encontra em um nível completamente diferente ao que vemos nos dias de hoje (ou não). A ideia é mostrar o quanto nós, enquanto sociedade, podemos nos transformar negativamente se não tomarmos cuidado com políticos tiranos, que vestem a máscara da democracia apenas para, depois, mostrar suas verdadeiras intenções.


Zona de Separação se passa na Espanha, no ainda distante ano de 2045. Com a falta de recursos naturais para todo o planeta, várias das maiores democracias do mundo se tornaram ditaduras ferrenhas, comandadas por governos com mão de ferro. A Espanha foi um dos lugares do planeta que sucumbiu a esse tipo de política, tratando seus cidadãos com a maior opressão possível.



A capital foi dividida em duas áreas: setor 1, onde estão os membros do governo e a classe média alta do país, e o setor 2, onde todo o resto da população tenta sobreviver.

A trama que acompanhamos segue a pequena Marta (Laura Quirós), que está nas mãos do governo capitaneado por um grupo de déspotas. Para tentar recuperá-la, a família da menina – formada por Julia (Olivia Molina), Hugo (Unax Ugalde) e Emilia (Ángela Molina), precisa se arriscar na passagem entre os setores. No entanto, a história é muito mais complexa do que isso, e envolve traições, a guarda de segredos importantes e uma intensa luta pela sobrevivência.


É uma história densa e que exige atenção e interesse para continuar, do contrário será fácil abandonar. Mas aqueles que persistirem em Zona de Separação não vão se arrepender, já que também traz atuações que beiram o brilhantismo de todo o elenco principal.



Olivia Molina e Ángela Molina, que interpretam Julia e Emília em Zona de Separação, são mãe e filha na vida real. Isso, com certeza, traz mais realidade para a interação entre as duas, o que também ajuda a série a se tornar mais palatável ao público. As duas entregam trabalhos exemplares, passando ao espectador a dor e a dureza de um mundo complicado, mas para o qual ainda conseguem enxergar alguma esperança.


Por fim, a série Netflix Zona de Separação é uma ótima ficção científica para aqueles que curtem o gênero, ainda mais para quem gosta de histórias pesadas em um futuro distópico – mas que está cada vez mais, assustadoramente, perto de nos alcançar.


Utopia (Utopia) EUA/2020 - Amazon Prime

Criado por Dennis Kelly, Utopia foi ao ar pela primeira vez nas telas do Reino Unido em 2013 e durou duas temporadas. Apesar de sua existência fugaz, a Utopia original atraiu um forte séquito que ainda não perdeu totalmente a esperança de uma continuação.



Um remake americano de Utopia foi cogitado já em 2014, com David Fincher alinhado para colocar sua própria versão do conto de conspiração visceral e violenta de Kelly. Embora o projeto Fincher nunca tenha decolado, a ideia de refazer Utopia para o público americano permaneceu, com Amazon Prime entrando em cena o projeto se concretizou tendo Gillian Flynn (Garota Exemplar, Sharp Objects) assumindo como roteirista e showrunner.


Diferentemente de Zona de Separação, Utopia se passa no presente acompanhando a história de um grupo de fãs de quadrinhos que se conhecem on-line e se unem pela obsessão comum em um quadrinho aparentemente fictício que leva justamente o nome da produção. Juntos, Ian (Dan Byrd), Becky (Ashleigh LaThrop), Samantha (Jessica Rothe), Wilson (Desmin Borges) e Grant (Javon “Wanna” Walton) descobrem significados ocultos nas páginas de “Utopia”, prevendo ameaças à humanidade.



Eles percebem que não se trata de uma conspiração; são perigos muito reais que agora ganham vida em seu mundo. A arriscada aventura coloca o grupo frente a frente com a famosa personagem central dos quadrinhos, Jessica Hyde (Sasha Lane), que se junta a eles em sua missão de salvar o mundo, enquanto guarda seus próprios segredos.


Além do sexteto protagonista formado por Dan Byrd, Ashleigh LaThrop, Jessica Rothe, Desmin Borges, Javon “Wanna” Walton e Sasha Lane, a série Utopia ainda tem o seu elenco também formado por John Cusack como Dr. Kevin Christie, Rainn Wilson como Dr. Michael Stearns, Farrah Mackenzie como Alice, Christopher Denham como Arby e Cory Michael Smith como Thomas Christie.



O elenco recorrente conta com Felisha Terrell como Hailey Alvez, Fiona Dourif como Cara Frostfield, Dustin Ingram como Tallman, Michael B. Woods como Rod, Crystal Fox como Kim, Rebecca Spence como Laura Christie, Sonja Sohn como Katherine Milner, Tim Hopper como Dale Warwick, Hadley Robinson como Charlotte / Lily e Calum Worthy como Ethan.


Utopia coloca várias pulgas atrás da orelha no espectador mais antenado. Muito próxima da nossa realidade e tudo o que estamos vivendo na atual era “pandemica”, assemelha-se muito com a série. a Indústria farmacêutica conspirando contra a humanidade com a criação de uma vacina para um suposto vírus mortal é o mote para a trama de Utopia.



Infelizmente a série foi cancelada nesta primeira temporada, o que deixa a dúvida: Foi cancelada por falta de audiência ou porque a trama trazia algumas verdades? Até onde sabemos a série teve uma boa repercussão então só nos resta acreditar que foi a segunda alternativa.

Vale destacar que a série original no qual a versão do Amazon Prime é baseada teve duas temporadas. Mas o enredo da versão americana pouco tem a ver com a série original.