slider-1.png
  • Shock Wave News

Bolsonaro Sincero

Por Evandro Pontes


A novidade moral trazida pela frase do matemático e presidenciável Jair Bolsonaro “eu sou Centrão”, com o fito de acomodar no governo que recebeu o apoio dos eleitores para implementação de uma pauta conservadora, lembra que essa assunção tem um CNPJ – e ele atende pelo nome de Progressistas.


As pessoas geralmente tem memória seletiva. Gostam de argumentar não como “virgens em prostíbulo”, mas como “putas em convento” e assim se esquecem do percurso de uma das agremiações partidárias mais abjetas da História do Brasil.


Republicamos aqui uma trilogia de textos para lembrar as pessoas do que se trata o tal do PP, o Partido Progressista ou meramente Progressistas, legenda que ainda dá casa, comida e roupa lavada para gente do talante de um Paulo Salim Maluf.


Essa não é a pior parte do Progressistas.


A pior parte está em sua participação ativa em ambos os escândalos petistas, o do Mensalão e o do Petrolão.


Esses esquemas de rapina foram as estruturas montadas pelo Foro de SP para viabilizar o desvio de montanhas de verbas públicas que alimentaram as ditaduras de Cuba e Venezuela, que a “direita espertinha” falsamente diz temer.


Se de fato temessem que acontecesse com o Brasil o que ocorre em Cuba e Venezuela, essa gente que hoje faz média com o Progressistas teria no mínimo a decência de reconhecer que instalar no Planalto novamente o maior secretário e auxiliar do Foro de SP é razão suficiente para não se misturar com essa gente nem mesmo nos prostíbulos de seus exemplos.


E não se trata de negociar com auxiliares possíveis: isso é literalmente ceder para inimigos.


O Progressistas foi de longe o principal secretário dos esquemas do Foro de SP. Atuou como sócio oculto do Foro de SP: sem ser integrante da facção criminosa de maneira formal e ostensiva, agiu como principal agente, colaborador, intermediário financeiro, viabilizador e gerente de contas do esquema.


Abaixar as calças para o Centrão já é, em si, de razoável gravidade moral – mas fazê-lo em especial para o Progressistas é um ato de cristalina traição.


Quem se une ao inimigo, àquele que tudo fez para ajudar o Foro de SP, deve ser tratado não apenas como traidor, mas como verdadeiro inimigo do Brasil.


É o que mostra a história, é o que mostram os três textos que agora republicamos.


Refute se tiver argumentos; grite e esperneie se preferir confirmar a traição; adira ao óbvio e declare que quem se alia ao Centrão não merece um pingo de credibilidade.


Aproveite a leitura.