slider-1.png
  • Amandaverso

BRASILEIRA É ASSASSINADA NA FRANÇA.



A brasileira Simone Barreto Silva, de 44 anos, é uma das três vítimas do ataque com faca realizado nessa quinta-feira (29) em uma igreja em Nice, na França. Após ser esfaqueada, ela conseguiu fugir do local, mas morreu em uma cafeteria nas proximidades. O atentado aconteceu poucas semanas após o professor Samuel Paty ser decapitado no país. Na ocasião, o terrorista disse que queria punir a vítima por mostrar aos alunos charges de Maomé durante aulas sobre liberdade de expressão. Simone nasceu em Lobato, bairro de Salvador-BA. Ela se mudou para a França ainda adolescente. Francesa nacionalizada, formou-se em gastronomia e trabalhou como cuidadora de idosos. Em declarações à RFI, familiares e amigos recordaram que Simone era uma "mulher de alegria e grande fé". Segundo Rita de Cássia Barreto, prima de Simone, “essa fatalidade aconteceu quando ela fez o que mais gostou: rezar, pedir a Deus por todos. Pedindo saúde, proteção e paz ”. “Paz é o que precisamos agora. E essa era a Simone! Antes de ir trabalhar, ela sempre passava na igreja para agradecer pelo dia e por todas as graças concedidas ”, disse. Rita de Cássia disse que a família "está arrasada". “É muito difícil para você receber a notícia de que uma pessoa foi assassinada dentro de uma igreja, fazendo o que mais gostava. Nós não entendemos isso. Sentimos muito, também por estarmos longe de nossos parentes que estão no Brasil ”. “Não dá para imaginar a dor que a família está passando, principalmente porque há três filhos que estão sem a mãe; é muito difícil ", acrescentou. Depois de confirmar a nacionalidade brasileira de Simone Barreto, o Governo Brasileiro emitiu nota para expressar “as suas mais profundas condolências à família e amigos do cidadão assassinado em Nice, bem como aos das outras vítimas, e estende a sua solidariedade ao povo e Governo francês ”. “Neste momento, o governo brasileiro expressa em particular sua solidariedade para com os cristãos e pessoas de outras denominações que sofrem perseguições e violência por causa de sua crença”, acrescentou. Por fim, informou que, “por meio do Consulado-Geral em Paris, presta assistência consular à família do brasileiro vítima do atentado terrorista”. "DIGA AOS MEUS FILHOS QUE EU OS AMO." Essas foram as últimas palavras de mais uma vítima da islamização no ocidente.



Com informações de RFI e Diócesis de Celaya.