slider-1.png
  • Jamal

Dilmares no ataque!


Nossa querida feminista, amante das idéias progressistas, resolveu direcionar um dos tentáculos do Estado ao nosso sagrado futebol. A solução que o Ministério dos Vevecos e da Pia Lotada está apresentando não vai funcionar, uma vez que seus membros são incapazes de entender qual é o verdadeiro problema. Quem me falou isso foi o Dr. Gabriel... esqueci o sobrenome dele, mas é um grande especialista no assunto, depois eu passo o LinkedIn dele pra vocês.


Assim a Ministra Dilmares abriu o Webinar sobre futebol feminino e políticas públicas para atletas mulheres: “Vamos lembrar que o Integra Brasil começou com o tema de combate à violência contra as mulheres. Lembro da gente entrando nos campos de futebol com as nossas faixas, nossos cartazes e a gente continua esse projeto maravilhoso”. Tudo indica que a Ministra é viciada em pautas identitárias e vai querer levar a patifaria de "violência política contra mulheres" ao mundo dos esportes. Na mente perturbada dessa senhora, o problema não é a violência decorrente da leniência das autoridades em relação às torcidas organizadas. O crime grave é dizer que MUIÉ não entende de futebol. Crime hediondo.


Agora vejam só a dimensão dessa desgraça traduzida neste parágrafo: "Após apresentar as ações da pasta relacionadas às mulheres, como a Casa da Mulher Brasileira (CMB), o projeto Mães Unidas e o Mais Mulheres na Política, Cristiane Britto deu uma boa notícia para as atletas.'Estamos juntos com a Secretaria Nacional do Futebol para dialogar com o Ministério da Educação (MEC) e ofertar condições diferenciadas para jogadoras, incluindo até a opção de formação online', ressaltou." O que esse grupo "Mais Mulheres na Política" tem a ver com o esporte? E por que diabos o MEC seria envolvido nisso? Formação Online de que? A duplinha Dilmares e Miltão tá demais.


Eu nem iria escrever nada sobre isso, pois a solução pro futebol feminino é simples e deixarei para o último parágrafo. Resolvi escrever porque, ao ler a notícia sobre esse Webinar no site do governo, percebi que o problema é muito pior do que eu imaginava e não está restrito só no âmbito do futebol. Caso queira entender melhor o desastre que tem sido a atuação da Ministra Dilmares, siga o canal do Evandro Pontes no Telegram e ouça as transmissões da Rádio Shockwave com a Ju e a Amanda.


Para concluir, a solução: compreendam que futebol feminino é um esporte diferente do futebol. Diminuam as dimensões do campo e dos gols e parem de chorar. Façam com que os jogos sejam atrativos. Ninguém quer ver um jogo arrastado, cheio de buraco entre as linhas, corridas preguiçosas e mil gols perdidos. Vou revelar um segredo que o Dr. Gabriel me contou: ninguém vai colocar dinheiro no futebol feminino justamente porque NINGUÉM assiste. Foquem no problema real ao invés de torrar a paciência com esse vitimismo babaca e essa sanha burra e ignorante de exigir a presença do Estado em tudo.


Ah, e mais uma dica bônus para quem leu até o final: incluam a técnica de lavar louça na rotina de treinos.