slider-1.png
  • Amandaverso

Donald Trump deve reduzir número de soldados americanos no Afeganistão.

Segundo informações da Associated Press, o presidente Donald Trump deve emitir uma ordem formal em breve para reduzir as forças armadas dos EUA no Afeganistão para 2.500 até dia 15 de janeiro.


Atualmente há cerca de 4.500 soldados americanos no Afeganistão, e a potencial ordem do presidente reduziria essa presença pela metade. Caso aconteça, estará cumprindo sua promessa de trazer as tropas americanas de volta pra casa, deixando o menor número de soldados desde o início dos anos 2000.


Trump também deve reduzir o número de soldados americanos no Iraque de 3.000 para 2.500.


As ordem vêm após a demissão do ex-secretário de Defesa, Mark Esper, que resistia às decisões do presidente de retirar mais tropas do Oriente Médio.


O atual Secretário de Defesa em exercício, Chris Miller, anunciou as medidas em um memorando enviado ao Departamento de Defesa, na manhã de sábado (14):


"Terminar as guerras requer compromisso e parceria. Nós vencemos o desafio; demos tudo de nós. Agora é hora de voltar para casa. Ao considerar a experiência marcante, mas enobrecedora, que muitos de nós passamos durante esta guerra, as palavras de Abraham Lincoln durante seu segundo discurso de posse trazem-me força, perspectiva e confiança:
'Com malícia para com ninguém; com caridade para todos; com firmeza no que é certo, como Deus nos dá para ver o que é certo, esforcemo-nos para terminar a obra em que estamos; para curar as feridas da nação; cuidar daquele que terá de suportar a batalha, e de sua viúva e de seu órfão - fazer tudo o que puder alcançar e cultivar uma paz justa e duradoura entre nós e com todas as nações'."


Em uma entrevista ao Breitbart News na segunda-feira(16), William Ruger, embaixador dos EUA no Afeganistão nomeado por Trump e vice-presidente de Pesquisa e Política do Instituto Charles Koch, pediu ao presidente que encerrasse a guerra:


"Trump pode realmente consolidar seu legado como o presidente que encerrou a guerra mais longa da América se fizer isso, e acho que o presidente deveria querer fazer isso”, disse ele.


"Ele seria o primeiro presidente desde Reagan a não começar uma nova guerra importante e seria o presidente que nos tirou da guerra mais longa da América. É isso que o presidente deve querer no primeiro parágrafo da história de sua presidência", acrescentou o embaixador.


Com informações do Breitbart News e Associated Press.