• CatNick

Empresário de Morrissey, ex-The Smiths, se irrita com personagem em "Os Simpsons”

Para o empresário do cantor, a produção exagerou na forma como o artista foi retratado


Créditos: divulgação/Fox


O cantor e vocalista da saudosa banda The Smiths, Morrissey (61), foi o convidado da vez no desenho animado "Os Simpsons", no último domingo (18). A forma satírica como foi retratado, porém, revoltou o artista e seu empresário, que publicou notas de repúdio (e não, ele não é do clube militar).


O 19º episódio da 32ª temporada foi nomeado como "Panic on the Streets of Springfield", em alusão aos primeiros versos do single "Panic" (ouça abaixo), presente no álbum de compilação "The World Won’t Listen", de 1987.



A série apresentou o personagem Quilloughby, um jovem músico depressivo da banda dos anos 80, "The Sniffs", por quem Lisa tem uma quedinha. As claras referências à Morrissey estavam em elementos como os cabelos penteados em topete e o clássico ramo de flores que o cantor segurava nas mãos durante os shows.


Como parte da divulgação do episódio, a produção dos Simpsons publicou uma espécie de releitura de uma das mais icônicas fotos da banda, em frente ao Salford Lads Club, em Manchester (Inglaterra), que compôs o encarte do álbum "The Queen Is Dead", de 1986.


Créditos: montagem e divulgação


Mas a forma escrachada como Morrissey foi retratado deixou o agente do cantor, Peter Katsis, irritado. Ele foi às redes sociais de Moz — como é carinhosamente chamado pelos fãs — e soltou o verbo em mais de uma nota.


Na primeira, publicada na madrugada desta segunda (19), Peter condenou a pecha de racista imputada pela série ao cantor. “Chamar o personagem de Morrissey de racista, sem apontar nenhum caso específico, não oferece nada. Isso só serve para insultar o artista. Eles deveriam pegar aquele espelho e segurá-lo diante de si”, disse o empresário.


Para muitos, o rótulo seria merecido: em entrevista ao jornal britânico The Guardian, em 2010, Morrissey chamou os chineses de “‘subespécies’ por não respeitarem os direitos animais e os tratarem sem dignidade”. Os fãs atribuem a frase ao fato de que Morrissey é vegano e defende com afinco a causa, que supostamente também luta contra o fim da crueldade animal.


Créditos: divulgação/Fox


Ele também não perdoou uma cena na qual Quilloughby (ou Morrissey) está cantando em um show com a barriga para fora da camisa: mas quando um show se rebaixa tanto para usar táticas odiosas, como mostrar o personagem Morrissey com a barriga para fora da camisa (quando ele nunca teve essa aparência em qualquer momento de sua carreira) faz você se perguntar quem é o verdadeiro grupo racista e nocivo é aqui”.


Veja na íntegra a primeira nota:



No segundo pronunciamento, também publicado na segunda, Peter faz críticas à cobertura jornalística entorno do episódio, em especial a dos jornais COS e Pitchfork, que atribuíram erroneamente os comentários ácidos sobre a série ao próprio Morrissey.


“Outros jornais reais, como a Rolling Stone, ligaram para perguntar quem escreveu o comentário. Alguém deveria dizer ao COS e ao Pitchfork que isso é o que se chama de ‘jornalismo’. Nesse ínterim, ninguém sequer mencionou a horrível representação falsa de Morrissey usada pela equipe dos Simpsons”, afirma Peter.


Leia, abaixo:



Já na última publicação, sobrou até para o ator britânico Benedict Cumberbatch, conhecido por ter atuado na série Doctor Who e responsável pela dublagem do personagem-sátira de Moz. Peter questionou por que o ator aceitou emprestar sua voz a um papel de gosto duvidoso.


“É claro que ele (Benedict) teria lido o esboço ou o roteiro antes de assumir o papel. Ele poderia realmente ser tão idiota quanto as pessoas da equipe de roteiristas de Os Simpsons e a equipe da FOX? Aparentemente sim. Talvez ele devesse falar e contar sua versão disso. Ele ainda tem coragem suficiente para fazer isso?”, finaliza o empresário.



Até a finalização desta matéria, Morrissey não se pronunciou sobre o ocorrido e as notas veiculadas por seu empresário em suas redes sociais.


Vale lembrar também que, apesar de ter mais de 1,4 milhão de seguidores no Facebook, a conta do artista está sem o selinho azul de verificação, que é dado aos montes às subcelebridades e jornalistas com bem menos seguidores.