slider-1.png
  • Toon Felícia

“Fomos curados graças às Suas chagas” (Isaías 53:5c)



Sexta-feira da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, dia entregue à oração, meditação, reflexão.


Como uma ovelha muda nas mãos do tosquiador, como um cordeiro mudo ao matadouro, o Verbo Encarnado se entregou em sacrifício para que hoje pudéssemos desejar contemplar a Deus face a face.


Sacrifício esse que mudou de uma vez por todas a história da humanidade e que não há ideologia nenhuma que apagará ou quebrará a Nova Aliança de Deus para com os homens.


Ele entregou seu Filho para que eu e você tivéssemos vida eterna, apagou todas as faltas de nossos primeiros pais (Adão e Eva). E o Sangue Preciosíssimo que jorrou do madeiro da Cruz, caindo sobre a Terra, tornou-a fértil.


Esse sacrifício é recordado hoje em todo o mundo.


Hoje é o único dia do ano que não se tem a Santa Missa, mas a celebração de exaltação à Santa Cruz. Isso porque, para nós católicos, na Santa Missa o próprio Cristo se faz pão e vinho, se doa em sacrifício no altar para alimentar a nossa alma, sustentar a nossa vida, nos dar o alívio e ser o nosso abrigo. Um seguro refúgio para a nossa alma tão pequena, que anseia dia após dia o definitivo encontro com O Belíssimo Esposo.


Ó, Cruz! Tão bendita que nos redimiu de nossas faltas, que nos preencheu e nos ensina a vivermos dia após dia, suportando os nossos sofrimentos. Pois no caminho da Cruz aprendemos que, nesses sofrimentos cotidianos, podemos ao menos nos assemelhar um pouco ao Cordeiro de Deus, que tanto sofreu por cada um de nós.


Não conseguimos celebrar a vitória sobre a morte, sobre todo o pecado sem passarmos pelo caminho da Cruz. E de igual modo, não conseguimos contemplar a Deus face a face sem que tenhamos passado pelos sofrimentos da presente vida.


Nós católicos não exaltamos os sofrimentos, como muitos erroneamente dizem. Mas entendemos que eles são como uma via para nossa Santificação e, unindo os nossos sofrimentos aos de Cristo, entendemos o real sentido da vida e a razão para cada uma das nossas dificuldades.


Que nesse dia, às 15 horas, você possa fazer um instante de silêncio, em reverência a esse sacrifício de Amor (caso não sendo católico).


A você católico, meu irmão na fé, participe santamente da celebração, ainda que virtualmente. Se possível, acompanhe as meditações das próximas horas até a celebração, às 15 horas. Participe da Via Sacra, reserve o dia de hoje ao jejum e a penitência, aproxime-se de Jesus Crucificado.


De igual modo a todos, vivam intensamente o dia de hoje, pois Jesus anseia por você.


“Foi por você que na Cruz Meu Sangue foi derramado.

Por isso sinta-se querido e amado.

Pois é o Meu Amor que cura a sua dor.”

(Anjos de Resgate – Foi por você)


Deus te abençoe.