slider-1.png
  • Davi Eler

Fomos Salvos


Eu andava sem rumo,

A escuridão e a loucura meu prumo,

Meu destino inescapável,

Um abismo, com uma queda infindável.


No caminho todo tipo de tormentos,

Em todo canto ouvíamos lamentos,

Minha mão frente ao meu rosto não enxergava,

E o bafo quente do norte minha face queimava.


Choro e ranger de dentes por todo lugar,

Eu caminhava, mas não conseguia escapar,

O próprio chão parecia se mover contra mim,

Um pesadelo de dor sem fim.


O frio parecia, que rasgava minha pele,

Ele impedia, que eu fosse queimado,

O fogo parecia, que derretia os meu ossos,

Ele impedia, que eu fosse congelado.


As feridas putrefatas,

Podíamos ouvir elas sendo abertas,

Com seus líquidos escorrendo,

E sentir o cheiro do sofrimento.


Mas nossa alma também devastada estava,

Em todo nosso interior algo nos faltava,

Parecia que andávamos sem órgãos,

Todos os passos pareciam vãos.


E quando esperança já não existia,

Tua luz veio, e fez a noite virar dia,

Fez a dor virar alegria,

Com sua mão vinda do alto me resgatou,

Me levou para ser reino de glória,

E a derrota virou vitória,

O que era esquecimento virou memória,

Tudo isso por alguém que o humilhou.


Pelo infinito amor fui adotado,

Eu sem mérito algum fui resgatado,

Eu que cuspi em tua cruz,

Mesmo assim ganhei de graça a tua luz.


E agora por causa de tamanha misericórdia,

Não posso mais viver na discórdia,

De tudo faço para lhe obedecer,

Só quero louvá-lo com todo meu ser.