slider-1.png
  • Mr Red

Kassio Nunes intima Kalil e outras autoridades a autorizar cultos e missas

Em suas redes sociais, Kalil negou-se a cumprir decisão liminar do ministro do STF a respeito do fechamento dos cultos



Na madrugada do domingo de Páscoa, 4, o ministro do STF, Kassio Nunes Marques, publicou um documento no qual intima vários prefeitos e governadores a permitirem a realização de cultos religiosos.


Tal direito é constitucional e natural e não pode ser extirpado por qualquer pessoa sob qual seja a justificativa.

Antes tarde do que nunca, a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental 701/MG foi promovida pela Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure).


A ação questiona os decretos dos governadores dos estados de Piauí e Roraima, além dos prefeitos de Armação dos Búzios (RJ), Bebedouro e Cajamar (ambos em SP), João Monlevade (MG), Rio Brilhante (MS) e Macapá (AP).


Leia o documento na íntegra:

nunes-marques-cassa-proibicao-de-cultos-
.
Download • 224KB

No tweet abaixo, o prefeito afirma que não cumpriria tal decisão, alegando ater-se somente ao plenário do STF.





Pouco tempo depois foi respondido por Kassio Nunes, requerendo que “providências sejam tomadas, sob pena de responsabilização, inclusive no âmbito criminal, nos termos da lei.


decisao-kassio-nunes-kalil-4-abr-2020
.pd
Download PD • 105KB

Logo após a resposta enérgica, Kalil recua e se diz um cumpridor da lei, mas, pelo visto, somente sob ameaça de um togado.


Infelizmente, leitores, em minha visão de leigo (corrijam-me se estiver errado), as nossas leis caminham diligentemente e com certa rapidez em alguns casos para as mãos dos supremos em Brasília e isso não me soa bem.