• Shock Wave News

Mais de 140k de cristãos perseguidos no mundo, milhares assassinados por sua fé. E vai piorar.

Por Zaraba Oliveira



Um relatório estarrecedor da Open Doors ( Portas Abertas), que monitora as circunstâncias que envolvem os cristãos no mundo, denunciou no início deste mês de março que mais 340 milhões de cristãos sofreram perseguições no ano passado em todo o mundo, principalmente na Ásia e na África., além de milhares de execuções, torturas e prisões pelo simples fatos deles expressarem sua fé. Significa que um de cada oito cristãos em todo o mundo foi vítima dessa violência, tornando-se o grupo humano mais perseguido em todos os tempos, fato ignorado solenemente pela cúpula da Igreja Católica e organizações de Direitos Humanos, inclusive a da própria Organização das Nações Unidas.


O relatório “Lista de Perseguição 2021” apresenta dados recolhidos entre 1 de Outubro de 2019 a 30 de setembro de 2020 referentes a 74 países - um mais do que na lista anterior - nos quais os cristãos estão “em maior perigo por sua fé´”. E pela primeira vez, em 29 anos de trabalho, a instituição revela preocupação de que todos os países entre os 50 primeiros tem uma classificação de alto nível de perseguição. Não por acaso, tais países são comunistas e islamitas, embora em alguns de maioria budista também integram a lista.


Os 11 países que lideram o ranking de violência contra cristãos são, por ordem: Coreia do Norte, Afeganistão, Somália, Líbia, Paquistão, Eritreia, Iêmen, Irã, Nigéria, Índia e Iraque, este último visitado pelo papa Francisco na semana passada, sem que ele fizesse nenhuma referência ou exortação contra a violência no país. O papa está mais preocupado com o ecumenismo do que defender suas ovelhas.


“O número de cristãos mortos é um dos principais indicadores da violência enfrentada por nossos irmãos e irmãs ao redor do mundo pelo simples fato de serem cristãos”, diz a Open Doors, destacando que o total de cristãos mortos por causa de sua fé aumentou 60%, indo de 2.983 casos registrados na Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2020 para 4,761 na LPM 2021. A África é de longe o continente onde ocorreu a maioria das mortes, ou seja 92% delas. Os ataques extremistas se espalharam ainda mais pela África Subsaariana, da Nigéria e Camarões até Burkina Faso, Mali e além. Segundo a pesquisa, só na Nigéria, "10 cristãos por dia são mortos em média devido às suas crenças religiosas”. (Veja relatório completo no site www.portasabertas.org)


Em outras palavras, os Cavaleiros de Alá - fortalecidos pelas hordas infernais dos comunistas -ressurgiram das cinzas e areias para imprimir o terror contra os cristãos como o sempre fizeram no passado, desta vez, com a complacência de governos e da própria ONU.


Diz o relatório: “o número de cristãos detidos por causa da fé na África (43%) e na Ásia(55%) é equiparado. Na África, a Eriteria é o país com maior número de detidos (930) e na Ásia, o maior número está na China. Já no caso de cristão condenados por causa da fé, na Ásia o número foi maior (89%) do que na África (10%). Mas também nessa categoria, o país africano que ganha é Eritreia, com 68% e 7% do total global”. Some-se a isso os ataques a igrejas, um total de 4.448, dos quais 77% na Ásia em comparação com a África (20%) e América Latina (3%).


As motivações dos ataques e perseguições dos cristãos no mundo, conforme indica a pesquisa, são: opressão islâmica, nacionalismo religioso, opressão tribal, hostilidade étnico-religiosa, protecionismo denominacional, opressão comunista e pós-comunista, intolerância secular, paranoia ditatorial, corrupção organizada e crime.


A vida dos cristãos nunca foi fácil. Primeiro a prisão e morte violenta do próprio Senhor Jesus Cristo, cuja “culpa” era ser filho de Deus, e cujos atos de milagres e curas foram tantos impossíveis de serem listados. Jesus foi perseguido e morto pelos judeus, depois os próprios apóstolos e seus sucessores por séculos do império romano. Os cristãos sempre foram vítimas das piores formas de violência: jogados às feras, crucificados, empalados, enforcados, queimados vivos, enfim, crueldades indescritíveis. Na Idade Média, os mártires foram muitos, assim como na Revolução Francesa, responsável pela decaída da França na apostasia, na qual milhares de religiosos , entre padres, monges e freiras, foram assassinados, inclusive, no caso das mulheres, submetidas antes a rodízio de estupros. No século passado, na Espanha, os comunistas fizeram o mesmo com milhares de religiosos, saqueando e destruindo mosteiros e igrejas.


Para ilustrar as barbaridades, lembremo-nos do incêndio de Roma no ano 64, quando o imperador era Nero, que teria ordenado tal crime, pois queria construir uma nova cidade. No entanto, para tirar sua culpa joga-a nas constas dos cristãos. Sobre isso, narra o historiador romano Publius Cornelius Tacitus (56-120):


“Mas não através de auxílio humano, ou por doação do imperador ou com oferendas para acalmar os deuses desapareceu a desconfiança que afirmava ter sido o fogo ordenado [por ele]. Por isso, a fim de acabar com o rumor, Nero colocou a culpa e infligiu as mais terríveis torturas àqueles que por suas abominações eram chamados pelo vulgo de crestianos (sic). Cristo, de quem provém este nome, fora executado no tempo do imperador Tibério pelo procurador Pôncio Pilatos. Tendo sido reprimida de início, aquela odiosa superstição ressurgiu novamente, não apenas na Judéia, local de origem do mal, mas também em Roma, para a qual confluem todas as atrocidades e vergonhas, e lá são festejadas. Por isso, primeiramente foram atacados aqueles que confessaram serem cristãos; depois, foi aprisionada uma grande multidão por acusação do povo, não tanto pelo crime do incêndio, mas pelo ódio que [os cristãos] possuem contra o gênero humano. Aos que pereciam, acrescentaram-se zombarias. Alguns, cobertos por peles de animais, foram estraçalhados por cães e pereceram; ou eram pregados a cruzes, e por vezes queimados, para servir de iluminação noturna quando a luz do dia havia expirado. Nero ofereceu seus jardins para o espetáculo, e ofereceu jogos de circo, misturando-se entre o povo em trajes de condutor de carro, ou conduzindo o carro. Por isso, embora a condenação fosse contra culpados e merecedores dos piores castigos, entre o povo surgiu pena para com eles, como se não estivessem morrendo por utilidade pública, mas devido à crueldade de um só indivíduo”


E como estamos assistindo, as perseguições aos cristão, especialmente aos católicos, a maioria, vêm aumentando ano a ano e exacerbou-se nesta pandemia criada e propagada pelo Partido Comunista Chinês. Vejam o fechamento puro e simples das igrejas ou severas restrições para afastar o fiel das missas. Entretanto, deve-se destacar que o que ocorre hoje tem origens no próprio afastamento do povo das tradições cristãs pela ação do “pai da mentira” em produtores de novelas, filmes, livros, teatro etc., enfim toda uma produção cultural de ataque aos baluartes da fé cristã. Mas o diabo, como lembrou um exorcista, ele apenas faz a tentação, mas a culpa recai em quem obedece, as pessoas.


A degeneração moral da sociedade ocidental nas últimas décadas na Europa, hoje mergulhada na apostasia, nos EUA e na América Latina é evidente. México e Colômbia estão na lista de perseguição. No Brasil, as ações são camufladas e ignoradas pela grande mídia que, a priori, adota uma postura de incitamento contra os valores cristãos, que a militância esquerdista acata e executa, além do indiferentismo do governo federal, do judiciário e da própria classe política. Não por acaso, o STF, este câncer institucional, não só referenda tais agendas como também age às claras ao aprovar o “casamento” gay - uma deturpação ignominiosa do termo, visto que acasalamento só se pode dar entre macho e fêmea - , criminalizar “homofobia” e defender a liberação de drogas e do aborto!


Diante de tal cenário, muitos católicos estão em estado de perplexidade com o silêncio de seus pastores - bispos e padres - contra as restrições ditatoriais nos cultos, como distanciamento social, uso de máscaras e álcool em gel enquanto ônibus, metrôs, aviões e festas nas favelas comandadas pelo crime aglomeram e ignoram as tais obrigatoriedades. Além do mais, acovardam-se assistindo seu rebanho sendo vítimas de atrocidades e da supressão de seus direitos inalienáveis, como o de ir e vir ou de expressar seu pensamento. Claro, há algumas vozes dissonantes no clero, muito poucas. E falam ao vento.


Estamos nos fins dos tempos, como a escatologia bíblica adverte? Os cristãos se levantarão contra o opróbrio e a tirania, assim como fizeram os “cristeiros” do México nos anos 30 do século passado? Previsão difícil de acontecer com a inércia e passividade do povão.


“Levantar-se-á nação contra nação, reino contra reino, e haverá fome, pestes e grandes desgraças em diversos lugares. Tudo isso será apenas o início das dores. Então sereis entregues aos tormentos, matar-vos-ão e sereis por minha causa objeto de ódio para todas as nações. Muitos sucumbirão, trair-se-ão mutuamente e mutuamente se odiarão. Levantar-se-ão muitos falsos profetas e seduzirão a muitos. E, ante o progresso crescente da iniquidade, a caridade de muitos esfriará. Entretanto, aquele que perseverá até o fim será salvo”. (Mt, 24-7-13)


Os sinais estão ai para aqueles que têm olhos veem. Que Nosso Senhor tenha piedade de nós e nos proteja contra as hostes demoníacas do judiciário, legislativo e executivo. Amém!






http://expresnews.blogspot.com

Adicionar um título (1).png

© 2020 by  ShockWave Radio.

Faça parte de nossa Newsletter e receba as últimas notícias do Brasil e do Mundo