slider-1.png
  • Alexandre Nagado

McCartney III

Atualizado: Jan 1

Septuagenário e incansável, ex-Beatle fecha uma trilogia iniciada há 50 anos.

No último dia 18 de dezembro, o ex-Beatle Paul McCartney lançou mais um álbum de estúdio com composições autorais. McCartney III encerra uma trilogia pessoal e intimista iniciada com a própria carreira solo do inglês.


Lançado pouco tempo após o anúncio da separação oficial dos Beatles, em 1970, o álbum McCartney trazia o músico compondo, tocando e cantando sozinho todas as faixas, com a eventual participação da falecida esposa Linda McCartney (1941~1998) fazendo backing vocals. Alguns álbuns solo ou com a banda Wings depois, veio McCartney II (1980), repetindo a fórmula com brilhantismo.


Com McCartney III, Paul fecha uma trilogia, ou estará sinalizando um encerramento de carreira? Workaholic, ele já havia parado com turnês longas desde antes da pandemia, mas nunca parou de produzir, fazer shows ou colaborar com outros músicos.


Sem poder sair por conta do primeiro lockdown na Inglaterra, no começo de 2020, Paul resolveu passar o tempo brincando em seu estúdio particular. Quando se deu conta, já havia material inédito para preencher um álbum.

McCartney III abre com "Long Tailed Winter Bird", uma faixa quase toda instrumental belíssima. "Find my way", a primeira canção divulgada; é um rock básico, melódico e vibrante, com todas as características que Paul traz desde os Beatles, incluindo seu otimismo perante o medo e as dificuldades da vida.


"Women And Wives" é uma balada muito agradável, carregada de maturidade e onde se percebe certo cansaço na voz do artista. A impressão é desfeita em "Lavatory Lil", cantada com vigor e aquele ataque vocal que fez de Paul um dos grandes intérpretes de sua geração. A faixa se inicia com um bom riff de guitarra, daqueles que grudam nos ouvidos. Em "Slidin´", Paul abre espaço para dois velhos colaboradores, Rusty Anderson (guitarra) e Abe Laboriel Jr (bateria), que deram um brilho extra ao álbum com suas contribuições.


"The Kiss of Venus" e "Deep Down" são outras belas canções do trabalho, que reúne 11 faixas. A última abre com uma reprise de um trecho da música de abertura, emendando com o resgate de "When Winter Comes", uma delicada canção de 1992 que fora produzida pelo maestro George Martin (1926~2016), produtor dos Beatles e grande amigo de Paul. Essa faixa, até então inédita e bastante significativa por si só, evoca aquela beleza advinda da simplicidade, algo que Paul sempre perseguiu.


Para esse lançamento, foi produzido um belo clipe em animação dirigido por Geoff Dunbar, que já havia trabalhado com Paul no vídeo Rupert and The Frog Song, de 1984.


O novo clipe é muito bom (confira no fim do post), combinando animação digital e técnicas tradicionais; e evoca um clima idílico, com um fazendeiro, sua esposa, dois filhos, um cachorro e mais alguns animais. É impossível não deixar de ver nas imagens o próprio Paul, Linda e a ship dog Martha, que Paul até homenageou com uma canção. De uma forma agridoce, o vídeo evoca um passado mais simples, de valores familiares sólidos e é impossível para um fã de longa data não sentir um aperto no coração. Paul tem plena consciência da passagem do tempo e do que isso significa.


O álbum foi lançado em CD, fita cassete, disco de vinil (com capas de cores variadas) e está disponível em plataformas de streaming. A versão em CD lançada no Japão, o único mercado musical ainda forte para mídias físicas, tem como faixas-bônus versões alternativas e demo de quatro canções.

Paul é multi-instrumentista autodidata, um verdadeiro gênio musical que já compunha aos 14 anos. Tornou-se um baixista célebre nos Beatles por trabalhar belas linhas melódicas com seus instrumentos Höfner e Rickenbacker, mas também tocava violão e dividia as partes em piano com John Lennon (1940~1980). Em algumas gravações, tocou também guitarra e bateria.


Sempre acusado de controlador e excessivamente perfeccionista ao seu modo, Paul se encontrou mesmo como artista solo, depois de alguns anos trabalhando com sua segunda banda, The Wings, que esteve oficialmente em atividade entre 1971 e 1981.


Uma banda de um homem só, Paul é atualmente um vovô de 78 anos (nascido em 18/06/1942) que compõe, toca e canta com um espírito jovem, mas que abraçou a velhice e a maturidade sem perder um olhar otimista sobre a vida.


Sem aquela condescendência que se dá a quem já fez muito e por isso merece respeito, McCartney III é realmente um bom álbum, com alguns grandes momentos. Dificilmente é o trabalho de despedida do incansável Paul McCartney, mas se fosse, o seria em grande estilo.


Trailer oficial de McCartney III

"Find My Way" - Paul McCartney

Letra e melodia: Paul McCartney

"When Winter Comes"

Letra e melodia: Paul McCartney

"Essa música (When Winter Comes) é uma coisa meio idealista, uma existência hippie em uma fazenda, plantando árvores, consertando cercas e vivendo uma boa vida. Que é algo que eu gosto, eu amo a natureza e amo essa ideia de descer e sujar as mãos." - Paul McCartney


Site oficial do álbum: mccartneyIII.com