slider-1.png
  • Gustavo Guimaraes

O Mito do Cavalo Alado e o Ser Humano

A filosofia grega é um dos pilares da nossa civilização ocidental e com isso moldou o nosso pensamento filosófico. Felizmente os gregos deixaram verdadeiras obras primas para o ocidente, como é o caso do filósofo Platão.

Platão, no diálogo Fedro, escreveu um mito que parece descrever o ser humano, que é o mito do cavalo alado. Esse é um mito que coloca o ser humano como uma carruagem que é guiada por dois cavalos alados, sendo o primeiro cavalo mais voltado para o materialismo e o mundo corpóreo e o segundo cavalo mais voltado para as ideias e ligado ao mundo sutil.

Essa comparação descreve perfeitamente o ser humano que é composto por matéria representando seu corpo e um mundo espiritual composto por sua alma e valores morais. O primeiro cavalo representa o lado concupiscente do ser humano, mais voltado para o lado material, ruindade, egoísta, mentira, infertilidade, materialista, inculto, involuído, corpóreo, boçal, denso, improdutivo, atos irracionais, inconsciência, os instintos mais primitivos e pouco trabalhados, os sentimentos incipientes incultos do ser humano.

O segundo cavalo representa a inteligência do ser humano, mais voltado para o mundo das ideias, instruído, sutil, culto, bondade, verdade, fertilidade, evoluído, inteligente, consciente, altruísta, produtivo, metafísico, os instintos mais evoluídos e trabalhados, os sentimentos por excelência, os valores morais do ser humano.

A carruagem representa a nossa alma espiritual, representa o guia de tudo isso, o tomador de decisões, o motorista da vida, a substância elementar que nos criou e temos controle.

O mito do cavalo alado de Platão foi criado com propósito de nos alertar em relação a nossa vida, foi criado para termos a noção do funcionamento do ser humano no qual temos que controlar as duas energias que existem entre nós, a boa e a ruim, a boçal e a inteligente para que possamos nos libertar das amarras da ignorância e adquirirmos conhecimento para a busca de seres livres. Deus é sinônimo de perfeição e os antigos filósofos como Platão acreditavam que para termos a vida que Deus tem devemos suscitar uma educação toda voltada para a busca da verdade com o objetivo de sermos puros, livres e dignos da vida que Deus tem.

Em João 18:36 Jesus, instruído por Deus, disse: " O meu reino não é desse mundo, se o meu reino fosse desse mundo, pelejaria os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui.", o verbo encarnado claramente passa uma mensagem para não sermos apegados aos prazeres e objetos desse mundo de modo a trabalharmos na busca de algo metafísico, que transcende o mundo material e corpóreo, a adoração pura e completa a Deus. Analogamente com o mito de Platão a passagem de João desvela qual o cavalo que devemos buscar, que é o segundo cavalo, o mais sutil e inteligente, pois se o mundo de Jesus não é desse mundo, tudo que é corpóreo pertence a esse mundo e o segundo cavalo seria a opção errada a ser escolhida como estilo de vida.

Obviamente, como temos os dois lado inatos a nossa vida, é de suma importância buscarmos o lado espiritual e trabalhar o lado que nos atormenta, denso, que nos puxa pra baixo, o lado ruim para ele não tome controle da nossa vida, significando o ato de viver corretamente, segundo os princípios de Deus, um verdadeiro esforço constante. Diariamente temos basicamente duas escolhas para tudo na vida, fazer ou não fazer, escolher entre sim ou não, ser educado ou rude, mas para escolher a opção correta precisamos da inteligência para discernir entre a opção correta e errada sendo esse o motivo de viver corretamente ser um ato de martírio contínuo.

O amor resume toda a doutrina de Jesus, significa a atitude mais inteligente e altruísta do ser humano na qual devemos praticar diariamente. Na passagem de Mateus 22:39 consta: " Amarás o próximo como a ti mesmo.", significa que para amarmos o próximo da maneira mais intensa possível, sem conotação sexual, devemos amar primeiramente a nós mesmos, não de maneira narcisista, mas sim de maneira inteligente, consciente, humilde e pura, pois somos filhos de Deus e temos conosco uma parte da luz que Deus tem, de forma que ao buscarmos no nosso eu interior, sem ser o eu egoísta, possamos acessá-la e assim emanar luz por onde passamos e ajudar o próximo de maneira verdadeira e intensa cumprido o propósito de Deus.

A mensagem desse mito é claramente para termos o controle da nossa vida e buscarmos o nosso lado que nos puxa pra cima, empenhar o lado sutil para alcançarmos a verdadeira conquista valiosa que existe que é o reino de Deus.

1 comentário