• Amandaverso

Os russos estão sendo solicitados a não ingerir álcool devido à vacina contra o vírus chinês.

Você já imaginou um russo sem sua amada vodka? Parece que o vírus chinês vai mexer com este hábito do quarto maior consumidor de álcool por pessoa no mundo.


Em um comunicado para a estatal russa Tass, a vice-primeira-ministra Tatyana Golikova disse que os russos precisarão fazer um "sacrifício" durante os 42 dias que a vacina Sputnik V requer para atingir a eficácia máxima.


"[Os russos] terão que se abster de visitar lugares lotados, usar máscaras faciais, usar desinfetantes, minimizar contatos e abster-se de beber álcool ou tomar drogas imunossupressoras", disse ela.


A chefe do órgão de segurança do consumidor da Rússia, Anna Popova, ecoou a declaração de Golikova no Moscow Times - dizendo "É uma pressão para o corpo. Se queremos permanecer saudáveis e ter uma forte resposta imunológica, não beba álcool."


De acordo com autoridades de saúde russas, a eficácia da vacina Sputnik V é mais de 90%, porém relatórios sugerem que os profissionais de saúde contraíram o vírus chinês mesmo depois de tomarem a vacina.


Diferente de alguns líderes ocidentais que disseram que tomariam a vacina para dar exemplo, Putin pulou fora.


"Ainda não começamos a vacinação generalizada e o chefe de estado não pode participar da vacinação como voluntário”, disse um porta-voz do Kremlin à Bloomberg.


"É impossível. O presidente não pode usar uma vacina não certificada.”


Especialistas ocidentais expressaram ceticismo em relação à velocidade com que a vacina russa foi desenvolvimento e o país não forneceu quaisquer dados para apoiar suas afirmações.


Com informações do ZeroHedge.

Adicionar um título (1).png

© 2020 by  ShockWave Radio.

Faça parte de nossa Newsletter e receba as últimas notícias do Brasil e do Mundo