• Amandaverso

Polícia de Londres interrompe um batizado em igreja devido às restrições do vírus chinês.

A Polícia de Londres interrompeu um batizado em uma igreja batista no domingo(15), devido às restituição impostas pelo Governo e que incluem a proibição de casamento e batizados por conta da "segunda onda" do vírus chinês.


Um pastor da The Angel Church presidia um batizado com aproximadamente 30 pessoas quando a celebração foi interrompida pela Polícia Metropolitana, que se posicionou do lado de fora do prédio para não aumentar o número de pessoas presentes.


Após a operação policial, o pastor Regan King concordou em realizar o evento fora da igreja. Segundo o Evening Standard, 15 pessoas permaneceram dentro e outras 15 foram para fora.


As novas restrições impostas pelo Governo do Reino Unido determinam o fechamento de bares restaurantes e negócios "não essenciais" por quatro semanas.


Ad igrejas podem abrir para funerais e "orações individuais", mas não para "o culto público'.


Os bispos católicos criticaram as medidas: O Cardeal Vicent Nichols, Arcebispo de Westminster, e Dom Malcolm Mahon, Arcebispo de Liverpool, divulgaram um comunicado em 31 de outubro no qual indicavam que o fechamento de igrejas causaria "profunda angústia".


"Embora entendamos as muitas e difíceis decisões do governo, ainda não vimos evidências que tornem a proibição do culto público, com todos os seus custos humanos, um elemento produtivos no combate ao vírus".


Os leigos católicos também se opuseram às novas restrições, como Sir Edward Leigh, presidente de The Catholic Union, que disse que as restrições "são uma grande ofensa aos católicos de todo o país".


Mais de 32 mil pessoas assinaram uma petição pedindo ao Parlamento que permita "o culto corporativo e o canto das congregações" em locais de culto.


Antes do segundo confinamento, o Cardeal Nichols disse à CNA - a agência em inglês do Grupo ACI - que uma das piores consequências do primeiro bloqueio foi que as pessoas foram "cruelmente separadas" de seus entes queridos que estavam doentes.


Também previu algumas “mudanças” na Igreja, como a participação remota na Missa por parte dos católicos.


“A vida sacramental da Igreja é corporal. É tangível. Está na substância do sacramento e do corpo reunido. Espero que desta vez, para muitos, o jejum eucarístico nos dê um sabor adicional e aguçado do verdadeiro Corpo e Sangue do Senhor”.


Com informações da ACI DIGITAL