slider-1.png
  • Amandaverso

Prefeito de Curitiba assina acordo com Dória pela VaChina.

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), anunciou nesta segunda-feira (7) que vai adquirir doses da CoronaVac, a VaChina do Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.


Segundo informou a prefeitura, o plano de vacinação de Curitiba deve ser indicado juntamente com o de São Paulo, em 25 de janeiro. A prioridade é o profissional de saúde do município.


Para este plano, a vacina depende da autorização da Anvisa, que ainda não comprovou os resultados de eficácia.


A Anvisa chegou a divulgar uma nota informando que ainda faltam vários prazos para a obtenção do registro para o "imunizante", logo após o anúncio do governo de São Paulo.


A solicitação de compra por Curitiba já havia sido anunciada por João Dória nesta segunda. Segundo a prefeitura, a capital do Paraná foi uma das primeiras a pedir a reserva de doses.


Além de Curitiba, oito estados do Brasil e o prefeito eleito do RJ, Eduardo Paes, também solicitaram a compra da VaChina.


Segundo Greca, o governador Dória o telefonou para confirmar a parceria com Curitiba.


"É uma adesão de Curitiba à ideia forte de que o Brasil precisa de um plano nacional de ampla imunização. Que venham todas as vacinas: a inglesa, a norte-americana, a chamada chinesa, mas que é do Butantan, um orgulho do Brasil, a da Fundação Oswaldo Cruz, e todas as outras que possam ser desenvolvidas, porque nós, brasileiros, merecemos para 2021 o livramento desta provação chamada coronavírus. Eu defendo que todas as cidades, todos os estados e o governo federal, com grande ênfase e prioridade absoluta, imunizem todo o povo no menor tempo possível", disse o prefeito.


Na semana passada, Greca afirmou que o município tem R$ 20 milhões guardados para comprar vacinas contra o novo coronavírus assim que a Anvisa liberar a imunização.


O governo do Paraná, que chegou a anunciar parceria para compra e produção da Sputnik V, vacina contra a Covid-19 produzida pela Rússia, reservou R$ 200 milhões para adquirir vacinas contra a Covid-19.


Com informações de O Tempo.