slider-1.png
  • Dica HQ

PRIMAVERA EM TCHERNÓBIL, de Emmanuel Lepage

A sorte está lançada.



O nome “Tchernóbil” se tornou sinônimo de desastre, de radiação, de morte, de uma das piores falhas do homem. Cidade localizada na Ucrânia, ganhou atenção máxima do mundo inteiro nos dias que se seguiram a 26 de abril de 1986, quando a usina nuclear derreteu e causou um dos piores desastres da história da humanidade.



O início de PRIMAVERA EM TCHERNÓBIL é um resumo sobre os fatos políticos, médicos e sociais de 1986. Logo em seguida, somos apresentados a um grupo de amigos, artistas, porém artistas militantes, engajados contra a construção de mais usinas nucleares (embora a França esteja apinhada delas). Narrado em primeira pessoa, o personagem principal (o autor) aceita ir à Tchernóbil para mostrar as consequências do desastre nuclear através da sua arte. Em 2008, ele parte nessa estranha viagem.


Na Ucrânia, ele encontra os restos do comunismo soviético, suas antigas estruturas abandonadas e em ruínas. Conhece os moradores da cidade, em pequenas vilas, que, apesar da dificuldade do idioma, a comunicação não é impossível. Sim, há pessoas que continuaram, persistiram, a criar sua família naquele local.



Após visitar os lugares mais tétricos, com a radiação sempre em seu timing – usando a metáfora do crocodilo de Peter Pan –, o personagem adentra à zona proibida (com alto nível de radiação), onde, de forma paradoxal, encontra um dos locais mais belos que ele já encontrou, onde a Natureza não desistiu. Tudo deixa o artista em choque, pois encontra o inesperado e não entende o que deve desenhar, o que deve comunicar.


Esse quadrinho é quase um documentário sobre a “Cidade Proibida” nos dias de hoje, onde, apesar do iminente perigo de contaminação e câncer, muitos a visitam para admirar a beleza “radiante” sob o Sol. Também é uma viagem ao interior do próprio artista, que se questiona sobre o que foi fazer naquele lugar, pois é impossível querer apenas “militar” quando a vida em si mesma lhe impacta.



A Natureza possui sua dualidade: é bela e selvagem ao mesmo tempo. Porém, em Tchernóbil, a selvageria tem o terrível acréscimo das partículas radioativas. É como adentrar em outro mundo, completamente desconhecido, perigoso.


A arte de Lepage é de uma beleza incrível, que varia seu estilo de acordo com a situação, entres cores acinzentadas, representando a proximidade da morte (muito presente entre os habitantes), e as cores mais vivas, entregues à Natureza.



Ler a HQ é como acompanhar o narrador nessa estranha viagem...


PRIMAVERA EM TCHERNÓBIL foi publicado em 2020 pela Editora Geektopia, originalmente lançado pela francesa Futuropolis em 2012 pela Un printemps à Tchernobyl.


Nota: 5,0/5,0.


Visite o @DicaHQ para mais dicas de quadrinhos!