slider-1.png
  • Zero à Direita

Projeto de Lei quer proibir o uso de linguagem neutra no ensino público e privado.


O deputado Guilherme Derrite (PP-SP), autor do projeto, afirma que há uma tentativa forçada de modificação da Língua Portuguesa.


Guilherme Derrite, deputado federal por São Paulo, através do Projeto de Lei 5248/20, quer proibir o uso da “linguagem neutra” na grade curricular e no material didático de instituições de ensino públicas ou privadas no ensino da língua portuguesa no ensino básico e superior. A proposta inclui a vedação em documentos oficiais dos entes federados, em editais de concursos públicos, assim como em ações culturais, esportivas, sociais ou publicitárias que percebam verba pública de qualquer natureza.


A “linguagem neutra” seria a utilização de outras vogais/consoantes/símbolos que não identifiquem o gênero masculino/feminino nas palavras, deturpando e destruindo a língua portuguesa.


O texto determina que o aprendizado da língua portuguesa seja feito de acordo com a norma culta, com as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCNs), com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP) e com a grafia fixada no tratado internacional vinculativo do Acordo Ortográfico de Língua Portuguesa.


Ainda, segundo o projeto, a violação dessa regra poderá acarretar sanção às instituições de ensino e aos profissionais de educação.


Derrite, afirma que há uma tentativa forçada de modificação da Língua Portuguesa, com o discurso de democratização da linguagem.

“Nesse diapasão, estabelece-se uma identificação artificial de gênero neutro, substituindo-se o artigo “o” por “x”, “@” ou outro símbolo que supostamente afaste a marcação binária de sexo masculino ou feminino”, explica Derrite.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

1 comentário