slider-1.png
  • Davi Eler

Qual é a solução para o Brasil?

Atualizado: Abr 1





Há uma grande discussão no nosso país sobre qual a solução para os problemas que vivemos. Alguns respondem que é a política, outros, a cultura e alguns mais pessimistas dizem que não existe modo de resolver. Qual desses lados está certo? Bom, é exatamente isso que pretendo responder.


Para começar, eu gostaria primeiro de mostrar quais os problemas centrais e quais suas raízes. Bom, no Brasil vivemos uma crise espiritual, o brasileiro se desconectou quase que por completo do Deus verdadeiro. Vemos isso na própria cultura, que só reflete a religião daquela sociedade. Crianças dançando funk, mães levando seus filhos pequenos para tocarem um homem nu, e por aí vai.


E a questão é que, na minha opinião, enquanto não resolvermos esse problema religioso, não adianta resolvermos nenhum outro (se é que vamos conseguir). Pois eu enxergo a civilização da seguinte forma: em círculos. O primeiro círculo, que fundamenta todos os outros, é grande e robusto, é a religião. Depois temos o segundo, de robustez média e tamanho médio, que é a cultura. E por fim, encontramos o terceiro, fino e instável, porém o mais aparente, que é a política.


Nesta minha teoria, a política é como se fosse a tampa de uma vasilha: ela é a camada mais fina, a mais volátil, porém a mais fácil de ver; assim, alguns pensam que ela é a mais importante.


Depois temos a cultura, que é de espessura média, sendo assim, ela é mais difícil de ser alterada, e possui uma solidez maior. Dessa forma, uma vez que uma cultura foi instaurada, será preciso décadas de um trabalho árduo e pesado para mudá-la. E a cultura também tem como propósito fazer o “meio de campo” da religião com a política, um mediador entre estes dois círculos.


E por fim, temos a religião, a parte mais robusta, sólida e estável, é a mais difícil de mudar sem sombra de dúvidas. É necessária uma ruptura muito forte, além de um trabalho de um século, pelo menos, para conseguir alternar a crença espiritual de uma civilização inteira. A última camada constitui as bases de tudo, valores, imaginário, pressupostos etc. Toda nossa consciência e alma partem para qualquer lugar, a partir de nossa religião. Por isso é tão difícil mudar esta camada, por ela ser tão profunda, estar totalmente entrelaçada com o interior humano, e não poder ser alterada por meros argumentos, aqui estamos de falando de crença e de fé.


Bom, explicada a questão dos círculos, só podemos chegar à uma conclusão: a política é só um reflexo da cultura, que por sua vez, é só um reflexo da religião daquele povo. E com isso surgem as seguintes perguntas: então qual é a nossa religião? Quais crenças estão moldando nossos interiores? Em quê ou em quem estamos depositando nossa fé? Em políticos, achando que eles vão resolver os problemas? Na cultura, pensando que, se trabalharmos com afinco, poderemos salvar o país? Ou em Jesus Cristo, entendendo que “somente Ele é detentor da salvação? (Jonas 2:9)”.


Essas perguntas devem ser respondidas, devemos sondar o mais profundo de nossas almas, como Santo Agostinho nos ensinou. Será mesmo que não estamos com outros deuses em nossos corações seja algum político ou mesmo uma estratégia cultural? Se achamos que alguma coisa além de Nosso Senhor pode salvar o Brasil, ali encontramos nosso ídolo.


“Ah Davi, então você está dizendo que não devemos ir para a política e para a cultura? Que devemos ficar somente na religião”? Não. Até pelo motivo do próprio Cristianismo ensinar que devemos ser sal e luz na terra, então precisamos estar na política e na cultura para impedir que estes círculos apodreçam. Mas nunca, jamais, deixar que estes pontos se tornem essenciais. Não podemos achar que a salvação está em algum político ou na estratégia cultural “A” ou “B”. A salvação se encontra EXCLUSIVAMENTE no Cristianismo, na Bíblia, em Cristo.


Para concluir, gostaria de responder à pergunta do título. Eu vejo que a solução para o Brasil é simples: nos voltarmos para a Bíblia, voltarmos à uma sociedade cristã, que abomina o divórcio, o adultério, a sodomia, a pedofilia etc. Enquanto continuarmos com deuses de estimação, não resolveremos nossos problemas. Pautemos nossa atuação política e cultural em Deus e na Bíblia. Se utilizarmos dessas plataformas para glorificarmos à Deus, com certeza a resolução dos problemas será natural. Obviamente não será perfeita devido à influência do pecado. Enquanto Cristo não voltar, teremos problemas, mas pelo menos teremos uma civilização mais saudável.


Fiquem com Deus e até a próxima.