• Shock Wave News

Razões pelas quais o conhecimento da palavra de Deus é fundamental

Atualizado: Abr 9

Por Anônimo



1) João 1:1 - No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.”


Jesus é o próprio Verbo ou Palavra que se fez carne e habitou entre nós. O Filho encarnado é o Deus ou a Palavra encarnada. Isto é, as boas-novas, o Evangelho, é o lugar onde encontramos a revelação divina da Pessoa de Deus.


Além disso, sabemos que no ato de criação, os comandos emitidos através da voz de Deus, possibilitaram o surgimento ou a existência da vida. Então, a Palavra, o Verbo, é a própria fonte criativa de tudo o que existe.


2) João 5:39 - “Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam.”


Examinar significa olhar com cuidado, avaliar. Ainda: “ponderar, investigar minuciosamente, refletir antes de tomar alguma decisão” (dicio.com.br). Então, como poderemos fazer o que Jesus nos ordenou, se não lermos e estudarmos a Bíblia Sagrada? Examiná-la, significa conhecer o próprio Deus.


O discernimento e as filosofias enganosas (anticristãs)


“Tenham cuidado para que ninguém os escravize às filosofias vãs e enganosas, que se fundamentam nas tradições humanas e nos princípios elementares deste mundo, e não em Cristo.” (Colossenses 2:8)


“Tenham cuidado”: Paulo nos adverte a sermos cuidadosos, que é uma atitude oposta à “não nos importarmos e ficarmos despreocupados”. Precisamos estar atentos.


“Para que ninguém os escravize”: significa que alguém tentará nos escravizar, e se não estivermos alertas, seremos escravos, até sem notar, e cairemos nesta armadilha. “Ninguém”, significa qualquer pessoa, inclusive religiosos e líderes que falam em nome de Jesus Cristo, sem falar em lideranças políticas das nações.


Mas, escravizar com relação a quê? “Às filosofias vãs e enganosas”. Conteúdos, ideias, afetam a nossa mente, o nosso espírito, aprisionando o ser humano por meio das crenças que definirão os comportamentos pessoais; morais ou imorais.


Quais seriam essas filosofias? De acordo com o apóstolo Paulo, elas têm duas características:


1) “Aquelas que se fundamentam nas tradições humanas”, que é o tradicionalismo criado pelo próprio homem, a religiosidade, por exemplo;


2) “e nos princípios elementares deste mundo e não em Cristo”, que são filosofias pagãs, portanto, sem Deus ou anticristãs, voltadas ao “evangelho social”, afirmando a necessidade do controle da vida individual a fim de estabelecer “um governo igualitário”, por exemplo.


Este princípio é mesmo bastante elementar deste mundo, uma vez que a Bíblia nos ensina que nunca cessarão de existir pobres no mundo (Deuteronômio 15:11), enfatizando que o paraíso nunca será aqui na terra vigente.


Em suma, essas filosofias partidárias e sectárias são aquelas separadas de Deus e dos ensinamentos de Cristo que contêm “ismos”, como: iluminismo, liberalismo, cientificismo e positivismo.


Conclusão: toda filosofia sem Cristo no centro (cristocêntrica) é vã e enganosa.

Mas, isso não é a mesma coisa que dizer que, “toda a filosofia é enganosa”. Assim como existe somente um caminho, somente uma verdade e somente uma vida (João 14:6), existe também, somente uma base filosofia verdadeira, aquela que parte de Jesus Cristo. Ou seja, a filosofia cristã (cosmovisão cristã), cujo conteúdo é uma Pessoa Divina. Esta sim, é a única verdadeira.


- Referências: Bíblia Sagrada NVI e Filosofia Cristã para Iniciantes (Gary Crampton e Richard Bacon).

Adicionar um título (1).png

© 2020 by  ShockWave Radio.

Faça parte de nossa Newsletter e receba as últimas notícias do Brasil e do Mundo