slider-1.png
  • Fabricio Wronski

Richard Donner, diretor de ‘Superman’ e ‘Goonies’, morre aos 91 anos

Morreu hoje (05/07) o cineasta por trás de alguns dos filmes mais queridos do século 20. Richard Donner, que dirigiu clássicos de todos os gêneros ao longo de sua carreira, morreu aos 91 anos - notícia confirmada hoje por sua esposa Lauren Schuler Donner. De acordo com o Deadline, a causa da morte foi revelada ainda.

Começou sua carreira na TV, dirigindo um episódio da série de 1960 Zane Gray Theatre, Richard Donner fez sua estreia no cinema com Salt And Pepper de 1968, estrelado por Sammy Davis Jr e Peter Lawford. No entanto, foi apenas alguns anos depois que ele fez o que é considerado por muitos um dos filmes de terror mais assustadores de todos os tempos em 1976, A Profecia (The Omen). Alguns anos depois, ele fez o primeiro blockbuster de super-herói "sério" de todos os tempos, com Superman: O Filme, lançado em 1978, e em seguida Superman II de 1980.

Ao longo das décadas de 1980 e 1990, ele continuou produzindo uma gama de filmes - não muito diferente de Steven Spielberg, com quem trabalhou em 1985 dirigindo o filme Os Goonies. Também dirigiu o filme de ação policial Máquina Mortifera em 1987, e também todas as três sequências - fazendo filmes como Os Fantasmas Contra-Atacam, Radio Flyer , Maverick e Teoria da Conspiração.

A produção de Richard Donner como diretor desacelerou depois de 2000 (embora muito parecido com a forma como ele ajudou a inventar o cinema de super-heróis com Superman, ele foi o produtor do filme que inaugurou a era moderna do gênero: X-Men). Em 2003, dirigiu a adaptação Linha do Tempo de Michael Crichton e dirigiu seu último filme - o subestimado 16 Quadras com Bruce Willis em 2006.


Para dizer o mínimo, Richard Donner teve uma carreira espetacular que mudou a forma de fazer a sétima arte. Não apenas os fãs de cinema continuarão a assistir seu trabalho por décadas e décadas, mas os cineastas nunca irão parar de estudá-lo e trabalhar para desvendar sua magia. Ele foi constantemente capaz de evocar o melhor das estrelas com quem trabalhou, de Gregory Peck a Christopher Reeve e Bill Murray, e a atemporalidade das histórias que ele contou garantirá que ele será para sempre lembrado no mundo do cinema.