• Amandaverso

Um alerta aos homens de pouca fé.

A cada novo dia da fraudemia me assusto com a pouca fé dos cristãos.


Ao longo da história da Santa Igreja Católica, milhares de homens e mulheres preferiram morrer a negar Cristo.


Quero chamar sua atenção para dois momentos da nossa história Cristã: Os primeiros mártires romanos, martirizados em Roma em 64 por Nero e os que foram martirizados pela linhagem política do liberalismo: A Revolução Francesa.


Aos 26 de dezembro de 1790, a filha primogênita da Santa Igreja sofreu um duro golpe: o rei da França, assinou a lei que transformaria clérigos em funcionários públicos, afastando-os da Igreja de Cristo e os aproximando do laicismo anticristão, introduzido pela Revolução de 1789.


A Lei sobre a Constituição Civil do Clero de 1790 visava reorganizar em profundidade a Igreja da França. Sob controle estatal, os bens da Igreja no país foram vendidos. Os sacerdotes e religiosos foram obrigados a fazerem um juramento ao Estado ou teriam que viver na clandestinidade correndo ainda mais risco.


Bravamente muitos clérigos da época não aceitaram. Quero destacar principalmente os irmãos do Instituto de Salomón, que se negaram ao juramento e foram obrigados a abandonar suas escolas e comunidades. Ao todo, cerca de 25 mil foram obrigados a sair do país.


Em 1792, a Assembleia Legislativa fechou todas as escolas na capital francesa e também proibiu o uso de vestimentas religiosas, assim como o hábito.


Em seguida deu-se início ao batismo de sangue que, se não fosse pelos honestos historiadores e a Santa Igreja Católica, seriam apagados da história com a mesma rapidez que perderam a vida.


Homens e mulheres que perderam a vida por serem cristãos católicos e não negarem Cristo, mesmo com a porca promessa mundana de liberdade.


Como a história sempre encontra semelhança no passado, quero voltar ao Antigo Testamento e falar de Daniel. A Palavra de Deus narra a história de Daniel, que era um homem fiel e temente ao Senhor. Quando ele começou a ser perseguido, porque criaram uma lei que obrigava todas as pessoas que não adorassem ao rei Dario a ser lançadas na cova dos leões. Daniel não traiu o seu Deus e permaneceu firme e fiel ao Senhor ao qual ele servia. “Daniel, o deportado de Judá, não tem consideração nem por tua pessoa nem por teu decreto: três vezes ao dia ele faz sua oração.” (Daniel 6,11) E como todos sabemos, Deus enviou seu anjo para fechar a boca dos leões. Essas passagens eu lhes escrevo para explicar a realidade atual. Estamos vivendo uma espécie de campo de concentração voluntário por parte de muitos e involuntário por parte de outros tantos. O vírus chinês não é apenas uma arma biológica, mas também espiritual. Sem dúvida alguma muito bem utilizada pelo anticristo e sua legião. Este vírus não tira somente a vida, destrói a economia e tira a liberdade. Este vírus tem a missão de condenar a sua alma, caro cristão. Meu alerta não é somente a perseguição religiosa que os cristãos sofrem ao reduzirem os cultos. Minha principal preocupação é o comodismo dos próprios cristãos que permitem que isso aconteça. O comodismo que o faz ficar em casa e achar que assitir através da internet uma Missa é igualmente válido como estar presente no Templo de Deus. Dessa forma a Palavra de Deus chega em você, mas não as graças que somente na Santa Missa é possível receber. O número de pessoas que, por medo e comodismo, não tem adorado a Santíssima Trindade aumenta cada vez mais. A redução de fiéis na casa do Senhor por obrigação de um Estado anticristão e por cristãos covardes me assusta e preocupa. Ou você realmente se comporte como um cristão que confia em Deus Pai Todo Poderoso, ou - parafraseando Padre Paulo Ricardo - ao inferno com Santanás e seus anjos. Pois bem disse o Verbo Encarnado: “Eu sou o pão da vida: aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim jamais terá sede." Como é possível ao cristão católico não receber o Corpo e o Sangue de Cristo? Santíssimo Sacramento este que foi o único alimento, durante 36 anos, de Teresa Newman, mística alemã estigmatizada. O Evangelho segundo São Mateus nos mostra o que respondeu Jesus ao demônio no deserto: Respondeu-lhe Jesus: “Para trás, Satanás, pois está escrito: Adorarás o Senhor, teu Deus, e só a ele servirás (Dt 6,13)”. - Recomendo a leitura deste excelente artigo do Evandro Pontes. Se você, católico, que não vai à Missa por medo ou não comodismo, encerro meu pedido com as últimas palavras de Dom Henrique Soares, que faleceu este ano vítima do vírus chinês: “‘A carne está fraca, mas o espírito continua forte; estou na mãos de Deus; sou d’Ele’. E, terminando, disse: ‘Não tenhas medo", repetindo as palavras de São João Paulo II. A Paz de Cristo.