slider-1.png
  • Toon Felícia

Volume de chuvas baixo pode determinar risco de apagão no segundo semestre desse ano.



Mediante ao baixo volume de chuvas registrados, especialistas não descartam a hipótese de um novo apagão como o ocorrido em 2001.


Segundo o Portal R7, apesar de toda a evolução tecnológica desses últimos 20 anos, onde 90% de toda a energia gerada era de hidroelétricas, especialistas apontam que o fantasma de um novo apagão ainda é eminente, e uma nova interrupção no fornecimento de energia pode ocorrer no segundo semestre.


Para João Teles (Fundação Getúlio Vargas), o Brasil hoje opera com cerca de 42% de sua capacidade de produção, o que pode representar o risco de entrar em 2022 com uma grande escassez no fornecimento pela falta de chuvas, e por consequência, medidas de racionamento de energia serão necessárias.


Diante da possibilidade da interrupção de fornecimento, o Governo Federal já se mobiliza para orientar a população quanto ao uso consciente da energia e prepara uma medida provisória que pode abrir caminho para um eventual racionamento de energia.


O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) afirma que tem alertado quanto a situação hídrica desde o ano passado, porém o órgão nega a previsão de desabastecimento ainda esse ano.