slider-1.png
  • Amandaverso

William Barr diz que o Departamento de Justiça não descobriu evidências de fraude generalizada.

O procurador-geral William Barr disse na terça-feira que o Departamento de Justiça não descobriu evidências de fraude eleitoral generalizada que mudaria o resultado da eleição presidencial de 2020, de acordo com uma entrevista que ele deu à Associated Press.


Barr teria dito à AP que os procuradores dos EUA e agentes do FBI têm trabalhado para acompanhar reclamações e informações específicas que receberam, mas não descobriram nenhuma evidência que mudaria o resultado da eleição.


“Até o momento, não vimos fraude em uma escala que pudesse ter afetado um resultado diferente na eleição”, disse ele.


No mês passado, Barr emitiu um memorando autorizando os procuradores dos EUA a perseguir alegações substanciais de irregularidades na votação antes da certificação dos resultados da eleição presidencial de 2020.


Barr disse que ainda não há evidências para comprovar a fraude sistêmica nas máquinas.


"Houve uma afirmação de que seria fraude sistêmica e que as máquinas foram programadas essencialmente para distorcer os resultados das eleições. E o DHS e o DOJ investigaram isso e, até agora, não vimos nada que comprove isso ”, disse ele.


Ele também esclareceu que há uma diferença entre usar o sistema criminal federal, que seria tratado pelo DOJ, e queixas feitas por meio de ações civis que seriam tratadas por auditorias conduzidas por autoridades estaduais ou locais.


“Há uma tendência crescente de usar o sistema de justiça criminal como uma espécie de conserto padrão, e as pessoas não gostam de algo que desejam que o Departamento de Justiça venha e 'investigue'”, disse ele.


“A maioria das reclamações de fraude é muito particularizada para um conjunto particular de circunstâncias ou atores ou conduta. Não são alegações sistêmicas [e] foram destruídas; elas estão sendo degradadas ”, acrescentou. “Algumas foram amplas e potencialmente abrangem alguns milhares de votos. Elas foram acompanhadas. ”


A Trump Legal Team, equipe jurídica de Trump, liderada por Rudy Giuliani e Jenna Ellis, disse em resposta aos comentários de Barr:


"Com todo o respeito ao Procurador-Geral, não houve qualquer indício de investigação do Departamento de Justiça. Reunimos ampla evidência de votação ilegal em pelo menos seis estados, que eles não examinaram. Temos muitas testemunhas que falaram sob juramento que viram crimes sendo cometidos em conexão com fraude eleitoral. Pelo que sabemos, nenhum deles foi entrevistado pelo DOJ. O Departamento de Justiça também não auditou nenhuma máquina de votação nem usou seus poderes de intimação para determinar a verdade.


No entanto, continuaremos nossa busca da verdade por meio do sistema judicial e das legislaturas estaduais, e continuaremos em direção ao mandato da Constituição e garantindo que todos os votos legais sejam contados e todos os votos ilegais não. Mais uma vez, com o maior respeito ao Procurador-Geral da República, a sua opinião parece ser sem qualquer conhecimento ou investigação das irregularidades substanciais e evidências de fraude sistêmica."



As informações são do Breitbart.